quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

PNBEPH - Rio Tâmega - Câmara de Amarante opõe-se por unanimidade à construção da Barragem de Fridão







PNBEPH - Rio Tâmega
Câmara de Amarante opõe-se por unanimidade à construção da Barragem de Fridão



A autarquia receia pela qualidade das águas do rio Tâmega (PÚBLICO - arquivo)

A Câmara de Amarante deliberou, por unanimidade, opor-se à construção da barragem de Fridão, no rio Tâmega, por considerá-la “um sacrifício demasiado elevado para os munícipes”.

“É para nós impensável a construção de uma barragem a montante da cidade de Amarante, a aproximadamente dez quilómetros”, lê-se na moção, aludindo aos problemas da segurança.

A decisão do executivo, de maioria socialista, ocorreu a poucos dias do fim do período de discussão pública do estudo de impacte ambiental, que decorre até 15 de Fevereiro.

A barragem de Fridão é uma das dez que constam do Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroeléctrico.

O documento foi inicialmente apresentado pelos quatro eleitos social-democratas, na oposição, mas foi bem acolhido pela maioria socialista liderada por Armindo Abreu.

Na moção sublinha-se “a preocupação dos amarantinos” face aos impactes da construção da barragem nas freguesias de Chapa, Fridão, Gatão e Rebordelo, além da cidade, que é atravessada pelo Tâmega.

Destaca-se ainda que “não existe um estudo integrado envolvendo todas as barragens, a construir, ao longo da bacia do Tâmega, que permita garantir a qualidade da água em todas as estações do ano em Amarante, nem ao nível químico nem ao nível bacteriológico”. “Correremos o risco de transformar o rio Tâmega, no centro de Amarante, numa espécie de lago de águas pestilentas no verão”, adverte-se na moção, chamando à atenção para os impactes negativos na fauna e na flora.

Segundo o executivo municipal amarantino, “estão por provar as vantagens que, objectivamente, o concelho de Amarante obterá com a construção da barragem de Fridão”.

Concluem os eleitos que “a construção, em vez de trazer desenvolvimento sustentável, traria degradação da qualidade de vida e regressão económica.

Num debate promovido dia 28 de Janeiro pela autarquia, o presidente do Instituto da Água (Inag), Orlando Borges, garantiu que a construção da barragem não colidirá com qualquer normativo ambiental ou de segurança. Admitiu, no entanto, que a barragem terá “impactes ambientais fortíssimos em variadíssimas áreas”, apesar das “enormes” vantagens energéticas e ambientais inerentes à construção daquela infra-estrutura.

Lusa, in Público / ecosfera - 10 de Fevereiro de 2010

Sem comentários: