quarta-feira, 28 de março de 2012

Celorico de Basto - Barragem de Fridão: Atraso na obra prejudica a economia do Baixo Tâmega (autarca de Celorico de Basto)






Celorico de Basto - Barragem de Fridão
Atraso na obra prejudica a economia do Baixo Tâmega (autarca de Celorico de Basto)

O autarca de Celorico de Basto disse hoje que o atraso no início da construção da barragem de Fridão, no rio Tâmega, prejudica a economia de uma região onde o desemprego e a emigração têm crescido nos últimos meses.

Joaquim Mota e Silva (PSD) disse à Lusa que o país e a região "não se podem dar ao luxo" de adiar o arranque de uma obra que pode servir de "almofada social" à situação económica do Baixo Tâmega.


O edil de Celorico de Basto comentava o anúncio da EDP, na terça-feira, à agência Lusa, de que a obra de construção daquele empreendimento hidroelétrico deverá avançar antes do final de 2012.

Lusa, in Visão - 8 de Março de 2012

Dia Internacional pelos Rios: Rios portugueses em águas perturbadas




Dia Internacional pelos Rios
Rios portugueses em águas perturbadas

Neste Dia Internacional pelos Rios, o Partido Ecologista “Os Verdes” manifesta a sua solidariedade com todas as lutas desenvolvidas em defesa dos rios, nomeadamente com o acampamento de jovens que está a decorrer na Foz do Tua.

Nesta data, que pretende assinalar a importância dos rios, tanto do ponto de vista ecológico, como do ponto de vista do desenvolvimento sustentável, assim como a sua importante componente cultural e os potenciais de lazer que proporcionam ao Homem, “Os Verdes” não podem deixar de alertar para a degradação na qual se mantêm os rios portugueses e as novas ameaças que pesam sobre eles.

O PEV quer ainda relembrar que a despoluição do Rio Alviela, emblemático nas lutas das populações contra a poluição e por um desenvolvimento sustentável (recordamos que a primeira associação de ambiente de âmbito local criada antes do 25 de Abril foi a CLAPA – Comissão de Luta Antipoluição no Alviela) e a recuperação das margens e do Mouchão Parque, promessas passadas de governo para governo, ainda estão por concretizar.

Não podemos deixar também de relembrar que está atualmente a ser elaborado o Plano da Bacia Hidrográfica do Douro, quando já foi previamente decidido a construção de 5 barragens nessa bacia (Tua, Fridão e a cascata do Alto Tâmega), barragens que integram o Programa Nacional de Barragens, verdadeiro atentado aos rios portugueses.

Nesta data, “Os Verdes” não poderiam ainda deixar de sublinhar a rede de interesses, entre os quais se destacam os interesses do sector hidroelétrico, que aprisiona os rios portugueses e que ditaram as alterações às leis da água e dos recursos hídricos, que tenderão à subjugação destes a interesses economicistas incompatíveis e destruidores das múltiplas funções e serviços que os rios prestam à vida no planeta e ao Homem. Leis que visam a privatização da água e dos recursos hídricos, que é preciso mudar com urgência, e em relação às quais “Os Verdes” se opõem e contra as quais se baterão.

O Partido Ecologista “Os Verdes”, in Jornal Rostos - 14 de Março de 2012

Tâmega – Vila Pouca de Aguiar: O Turismo como alavanca para o desenvolvimento do concelho





Tâmega – Vila Pouca de Aguiar
O Turismo como alavanca para o desenvolvimento do concelho

Projectar estrategicamente o turismo, num arco temporal de uma década, é a aposta forte do município de Vila Pouca de Aguiar para o desenvolvimento sustentável do concelho.

Foi apresentada, na quinta-feira, dia 8 de Março, a “Estratégia de Turismo” de Vila Pouca de Aguiar, a ser implementada nos próximos dez anos (2012-2022), resultando de uma aposta clara no turismo como “um pólo fundamental no desenvolvimento do concelho, quando a agricultura e o tecido empresarial denotam poucos sinais de crescimento”, referiu Domingos Dias, presidente da Câmara de Vila Pouca, na sessão de apresentação deste projecto.

(...)

No âmbito do financiamento dos projectos inerentes a esta estratégia de turismo, além dos investimentos que estão a ser levados a cabo por privados, no que respeita aos investimentos a serem levados a cabo pela autarquia, estes “vão ser financiados com as verbas decorrentes da compensação pela construção das barragens do Alto Tâmega” concluiu Domingos Dias.

Paulo Chaves, in @ctual (Diário do Alto Tâmega e Barroso) - 16 de Março de 2012