domingo, 31 de julho de 2011

Barragens - Linhas de Muito Alta Tensão: Palestra sobre impactes da Barragem do Fridão em Mondim de Basto







Barragens - Linhas de Muito Alta Tensão
Palestra sobre impactes da Barragem de Fridão em Mondim de Basto

Vai realizar-se a 15 de Julho, às 21h30, na Freguesia de Mondim de Basto, uma palestra sobre a Barragem de Fridão, no âmbito do acompanhamento público do Aproveitamento Hidroeléctrico de Fridão, subordinada ao tema “Linhas de Muito Alta Tensão - Os Impactes Negativos no Território”.

A palestra terá lugar no auditório da Escola EB 2,3/S de Mondim de Basto. O orador convidado é João Joanaz de Melo, professor na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e presidente da Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA).

in Notícias de Vila Real - 14 de Julho de 2011

Barragem de Fridão - Tâmega: Câmara contesta algumas medidas propostas no RECAPE






Barragem de Fridão - Tâmega
Câmara contesta algumas medidas propostas no RECAPE

A Câmara Municipal de Mondim de Basto apresentou uma exposição escrita à Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito do Acompanhamento Público do Relatório de Conformidade Ambiental do Projecto de Execução (RECAPE) do “Aproveitamento Hidroeléctrico de Fridão”, na qual contesta algumas das medidas propostas no referido Relatório. No documento apresentado, foram levantadas questões que se considera não terem sido devidamente salvaguardadas, nomeadamente o que diz respeito à recuperação dos moinhos existentes, aos restabelecimentos das ligações pedonais entre Bromela e Agunchos (Ponte dos Cabrestos) e entre Montão e Vilar de Viando (Ponte Medieval do Cabril) e ainda do acesso que liga as freguesias de Paradança a Rebordelo (Amarante).

Além disso, foram também manifestadas preocupações relativamente ao Nível Mínimo de Exploração referido no RECAPE (NmE 150), que difere do anteriormente colocado em Consulta Pública (NmE 155).
A autarquia mostra-se assim atenta ao desenvolvimento de todo este processo, intervindo, sempre, no sentido de salvaguardar o interesse dos munícipes.


in Notícias de Vila Real - 27 de Julho de 2011

Chile - Barragens: Un tribunal chileno suspende temporalmente la construcción de cinco presas en la Patagonia




Chile - Barragens
Un tribunal chileno suspende temporalmente la construcción de cinco presas en la Patagonia



Han sido aceptados tres recursos en contra del proyecto de Hidroaysén, en el que participa la española Endesa a través de su filial chilena

Por dos votos contra uno, el tribunal de Apelaciones de Puerto Montt, en Chile, ha aceptado hoy a trámite tres recursos de protección interpuestos por parlamentarios de distintas tendencias y organizaciones ambientalistas en contra de la resolución de la Comisión de Evaluación Ambiental de la Región de Aysén, que el 13 de mayo pasado aprobó el proyecto hidroeléctrico Hidroaysén, de la empresa española Endesa y la chilena Colbún, el cual incluye la construcción de cinco presas en la Patagonia chilena, y acogió una petición de "no innovar", que significa la paralización temporal de las obras hasta que la justicia resuelva el fondo de la causa.

La tramitación de estos tres recursos puede implicar un período de entre seis y siete meses durante los cuales las obras permanecerán detenidas, incluyendo una eventual apelación ante el Tribunal Supremo, después que resuelva el tribunal de Apelaciones de Puerto Montt, ha dicho a este diario una fuente de tribunales.

Esta resolución supone un duro traspiés para el megaproyecto Hidroaysén, situado en el corazón de la Patagonia, 1.650 kilómetros al sur de la capital, cuya aprobación ha motivado masivas y periódicas manifestaciones de protesta en las principales ciudades del país contra el Gobierno, cuyos funcionarios regionales lo votaron favorablemente.

Los sondeos indican que más del 70% de la población rechaza este proyecto, aunque las autoridades plantean que es necesario para sostener el crecimiento a tasas anuales del 6% que se proyecta para la economía chilena.

El fallo "es un gran triunfo del país para proteger la Patagonia, que es la segunda reserva mundial de agua dulce", ha dicho hoy en declaraciones a radio ADN el presidente del Senado, Guido Girardi, uno de los cuatro parlamentarios que presentó el recurso contra Hidroaysén, y opositor al Gobierno de derecha del presidente Sebastián Piñera.

Los recursos de protección sostienen que la resolución ambiental favorable a Hidroaysén vulneró garantías constitucionales como el derecho a vivir en un ambiente limpio. La resolución judicial está "protegiendo el derecho de todos los chilenos, poniendo el bien común por delante como prioridad y no los intereses de las empresas como se había estado haciendo hasta el momento", ha agregado Girardi.

Otro de los parlamentarios que interpuso los recursos, el senador de derecha Antonio Horvath, dijo esperar que el fallo contribuya a que el Gobierno "reconsidere el apoyo que le ha dado a este proyecto". Criticó que el respaldo de algunos ministros a Hidroaysén "rompe la institucionalidad ambiental" porque ellos son instancias de apelación. Horvath, del mismo partido en el que militaba Piñera, ha asegurado que la resolución llega en un buen momento porque en estos momentos "hay una campaña pro Hidroaysén millonaria".

Según sostienen los recurrentes, en el proceso de aprobación ambiental del proyecto Hidroaysén se adulteraron informes, hubo conflictos de intereses, se modificaron resoluciones que previamente eran negativas y terminaron siendo positivas, por las presiones que hubo. La legislación establece que son los funcionarios regionales de Gobierno los que deben aprobar o no en primera instancia los proyectos con impacto ambiental, y deja la resolución final en manos de un comité de seis ministros.

La Corte de Apelaciones de Puerto Montt dio cinco días de plazo a la presidenta de la Comisión Ambiental de la Región de Aysén, Pilar Cuevas, para que informe sobre las denuncias de que la decisión de aprobar el proyecto fue "arbitraria".

Con una inversión prevista de 3.200 millones de dólares (2.200 millones de euros), el proyecto Hidroaysén incluye la construcción de cinco centrales hidroeléctricas en los ríos Baker y Pascua, que inundarán 5.910 hectáreas de territorio virgen en la Patagonia y producirán una generación de 2.750 megavatios de energía eléctrica.

Todavía está pendiente la aprobación ambiental de la segunda parte del proyecto, la transmisión, que requerirá instalar 3.800 torres de alta tensión, de 40 metros de altura cada una, a lo largo de 2.000 kilómetros y con una franja despejada de 60 metros a su alrededor.

La empresa asegura que el fallo no afectará a sus planes
La compañía encargada del proyecto, que es una asociación entre las empresas energéticas Endesa Chile y Colbún, ha afirmado que la decisión judicial no afecta a su calendario de trabajo. El fallo "constituye una decisión judicial de tipo administrativo que no paraliza la tramitación del proyecto energético en la región de Aysén y que se limita a iniciar el proceso de análisis de los recursos presentados", ha asegurado la empresa en un comunicado. Si finalmente se cumple el calendario, la primera de las centrales entraría en funcionamiento en 2019 y en 2025 estaría operativo todo el complejo. Tras la decisión judicial, la acciones de Colbún han bajado un 3,5% en la bolsa local, aunque, posteriormente, recortaron sus pérdidas a un 1,64%. Mientras tanto, los títulos de Endesa han retrocedido un 1,72%.


Manuel Délano, in El País - 20 de Junho de 2011

> The New York Times critica los planes de Endesa para construir presas en la Patagonia chilena

sábado, 30 de julho de 2011

Programa Nacional de Barragens: Verdades sobre o barragismo que não interessam a todos

Programa Nacional de Barragens
Verdades sobre o barragismo que não interessam a todos

1 - O Plano Nacional de Barragens é a 3.ª Parceria Público Privada mais cara de todas: 7.000 milhões de euros, o equivalente a quase 10% do pacote de ajuda externa acordado por Portugal para adiar a resolução da dívida externa.

2 - Quer as albufeiras destas barragens tenham água para produzir energia eléctrica ou não, o Estado (todos nós) garante às concessionárias 30% de receitas, para além é claro do produto da facturação eléctrica aos consumidores (todos nós, mais uma vez), que já é das mais caras da Europa.

3 - O aumento do consumo de energia eléctrica entre 2009 e 2010 foi de 4,7%: o total de produção de energia eléctrica de todas as 10 barragens do Plano Nacional de Barragens (não esquecer que duas delas já foram canceladas) representa 3,2% da electricidade consumida em 2009. Trocado por miúdos, as 10 barragens juntas não produzem o suficiente para cobrir sequer o aumento do consumo de electricidade!

4 - Considerando os dados da REN, e considerando ainda as perdas nas turbinas e geradores, mais o factor de produção líquido de bombagem e respectivas perdas, o pacote de 10 barragens vai na verdade ter uma produção líquida de... ZERO energia.

5 - O reforço de potência da Barragem da Venda Nova (construída em 1951) é o suficiente para se conseguir o equivalente a 77% da energia que irão produzir 10 (DEZ!!!) novas barragens, tendo ainda um período de funcionamento 65% superior a estas e a um custo 58% inferior (em termos de unidade monetária por cada kW produzido). Portugal tem mais de 200 grandes barragens com possibilidade de reforços de potência.

Para além de todos os aspectos negativos e que os números bem elucidam... há a questão do tremendo impacto ambiental (e em quase todos os casos também cultural e social) da construção das barragens (que têm mesmo que começar a deixar de ser "vendidas" como uma energia limpa)... e perda em termos de biodiversidade é tremenda, sendo o caso mais grave de todos provavelmente o Sabor... sem dúvida um dos crimes ambientais da década em Portugal... já para não dizer do século...

Pedro Jorge Pereira (+351) 93 4476236 - 25 de Julho de 2011

PNBEPH - Tâmega: “OS VERDES” DERAM MAIS UM NÃO À BARRAGEM DE FRIDÃO













PNBEPH - Tâmega
“OS VERDES” DERAM MAIS UM NÃO À BARRAGEM DE FRIDÃO

O Partido Ecologista “Os Verdes” reiterou na passada sexta-feira, o seu NÃO categórico à construção da Barragem de Fridão (Rio Tâmega). Este não do PEV foi reafirmado no quadro da participação de “Os Verdes” no acompanhamento público, em fase de RECAPE, do Aproveitamento Hidroeléctrico do Fridão, enviado à Associação Portuguesa do Ambiente, entidade responsável pelo acompanhamento da Avaliação de Impacto Ambiental.

Desta participação pública, destaca-se a acusação de “Os Verdes” de falta de transparência na documentação disponível, citando nomeadamente, a não disponibilização ao público das informações sobre as medidas e mecanismos exigidos no ponto 5 da Declaração de Impacte Ambiental (DIA), relativas à compensação das construções afectadas por este empreendimento. Uma questão que “Os Verdes” consideram da maior importância, visto que este empreendimento, caso venha a ser concretizado, vai afectar cerca de 70 construções entre as quais, 48 com uso habitacional, sendo que 31 são residências permanentes e que a grande maioria se situa na Freguesia de Mondim de Basto que será gravemente afectada.

“Os Verdes” sublinham ainda que as medidas apresentadas nos documentos disponíveis, pouco ou nada vêm atenuar os gravíssimos impactos sociais e ambientais, e os riscos que este empreendimento vai gerar, dando como exemplo, a solução apontada para remediar a retenção sedimentar, solução que consideram ser “uma fuga para a frente”, que nada resolve e que tudo deixa em aberto.

“Os Verdes” relembram ainda neste Parecer, que o seu não a este empreendimento, por razões de ordem económica, social, energética e ambiental, já foi diversas vezes expresso, nomeadamente em sede parlamentar, onde o PEV apresentou várias iniciativas, entre as quais se destaca uma proposta para suspender e travar o Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico. “Os Verdes” apresentam agora o endividamento nacional como mais uma razão para parar com a construção deste empreendimento.

“Os Verdes” consideram que as barragens deste Programa, caso venham a ser concretizadas, darão mais um forte contributo para o endividamento do país que se reflectirá, mais uma vez, no bolso dos cidadãos, através do aumento dos impostos ou da tarifa da electricidade. Para “Os Verdes”, os “lucros e benefícios” das barragens deste Programa só servem os interesses das grandes empresas hidroeléctricas, nomeadamente a EDP, e dos seus accionistas, e não os das regiões envolvidas ou do país.

O Partido Ecologista “Os Verdes” (Gabinete de Imprensa) - 25 de Julho de 2011

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Tâmega - Mondim de Basto: capital t-shirt




Tâmega - Mondim de Basto
capital t-shirt

Já lhe chamaram a Sintra de Trás-os-Montes, o concelho mais minhoto da província, a capital do granito, a pérola do Alvão (esta, confesso, inventei-a agora), enfim, há para todos os gostos.

Entre o Alvão e o Tâmega - "Mondim terra das flores e dos bons jogadores" - podemos continuar às escuras, mas as letras (e d p) já por cá vão fluorescendo a várias cores.

Mondim pronto-a-vestir, nome de baptismo contemporâneo, cujo padrinho é um meu amigo (dizem que dos bota-abaixo), além de mais horrível, não traz valor acrescentado. Mas a verdade é que, um destes dias, pelo andar das águas, os nossos filhos vão parecer aquelas mocidades apoiantes dos queridos líderes - todos fardados por igual e a exibir o símbolo do "regime".

Vejamos então :

No Mondinense Futebol Clube, dos 5 aos anos em que ainda houver pernas, agora todos militam no edp barragem clube. Em minha casa, já há o gavetão edp com t-shirts e fatos de treino - escalão Petizes e escalão Benjamins. Ah!... e também o saco edp.

Aqui há dias, o meu filho de 9 anos, atleta do Mondinense, recentemente transferido para o edp barragem clube foi, no âmbito dos Encontros de Basto, enquanto aluno do Centro Escolar de Mondim, praticar uns jogos lúdicos para a escola de Molares: saiu de casa de verde e regressou de vermelho edp (tamanho L), com o emblema do risinho solidário!

Há pouco tempo atrás, mais vermelho ainda, vi dois vermelhos: fundação Benfica e fundação EDP distribuir mais 66 t-shirts para a rapaziada da minha terra. Felizmente, os meus rapazes que já são "obrigados" a jogar no edp barragem clube não são do Benfica, pois corria o risco de me aparecerem em casa com mais duas t-shirts para o tal gavetão das esmolas que vamos amealhando ainda que, falo por mim, contra vontade (é que não deixar os miúdos vestirem as t-shirts é condená-los a não poderem jogar - para prejuízo deles - o que, de todo, não farei).

Por coincidência, num fim de semana passado, o meu tal amigo veio visitar-me a Mondim. Na rua cruzamos, primeiro, com um grupo de miúdos todos de fato de treino - com gravação em tamanho XXL das letras EDP, nas costas do casaco. Depois, porque seria dia de torneio, mais dois grupos dos escalões da formação do Mondinense. Dessa vez, o meu amigo que tinha tornado a olhar para a juventude, perguntou :

- Oh pá! , a EDP vem cá jogar?

- não, respondi: esses somos nós.

- como, questionou?

- esses miúdos são os de Mondim, respondi.

- mas só se vê EDP, retorquiu.

- Oh pá!, é difícil de explicar: somos um clube pobre, poucos apoios, ... Mas esses miúdos que estás a ver são os nossos, só que a EDP é nossa amiga e dá-nos roupa.

- Hum !... olha que não, olha que não: a mim parece-me mesmo é um jogo entre a EDP e Mondim e eles estão é a jogar com vocês !...

Ainda tentei rebater, diga-se que sem sucesso, dizendo-lhe que as ofertas em roupa devem ser para continuar, pois vão-nos oferecer os estendais - linhas de muito alta tensão - para a pendurar.

De seguida, já a esplanar - acto de sentar a peida numa esplanada - eis que se começa a ouvir o espelho d'água do Paulo Gonzo. Dengoso e lamechas, o homem dos bons velhos tempos da Go Grall Blues Band, lá vai debitando - em melodia do "género construção de família" - palavras lindas, quase genesíacas, à volta da água a que nos querem obrigar.

Acto contínuo, o bota-abaixo do meu amigo, logo disse: o "espelho d'água" do Gonzo está gasto e cá - o exemplo do Torrão está à vista - a massa de água é meio de cultura para as cianobactérias - formando capas de matéria verde-azulada, em águas paradas e eutróficas. O melhor, continua, é depois da banheira cheia, vocês chamarem o padre Melícias para benzer a água, pois só a ajuda divina vos poderá dar o encanto prometido. Insistente, ainda disse: água choca e estendais perigosos, t-shirts e bonés para vocês; música e espelhos de água para os distraídos; compromissos, cachets, pagamentos por conta... para quem?

Bom !

Já agora, que estamos na onda do pronto-a-vestir, porque não pedir-lhes calções de banho? ... é que os nossos miúdos ainda querem veranear, enquanto se pode, no Tâmega, Chavelha e Ponte do Cabril.

Alfrado Pinto Coelho, in O Basto - 3 de Junho de 2011
Movimento Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega (Mondim de Basto)

domingo, 17 de julho de 2011

Rio Douro (Portugal): Banhos perigosos no Douro devido aos níveis de poluição



Rio Douro (Portugal)
Banhos perigosos no Douro devido aos níveis de poluição


Eduardo Pinto e Patrícia Posse, in Jornal de Notícias, N.º 46, Ano 124 (p. 22) - 17 de Julho de 2011

Barragem de Fridão - Fase de pós-Avaliação: APA dá 12 dias úteis para acompanhamento público do processo





Barragem de Fridão - Fase de pós-Avaliação
APA dá 12 dias úteis para acompanhamento público do processo


Agência Portuguesa do Ambiente - 5 de Julho de 2011

sábado, 16 de julho de 2011

Tâmega - Barragem de Fridão: Autarcas de Basto atrás do maná da EDP





Tâmega - Barragem de Fridão
Autarcas de Basto atrás do maná da EDP





(...) A Barragem de Fridão, no rio Tâmega, que vai afectar território dos quatro municípios de Basto, é vista pelos presidentes como uma oportunidade para potenciar a empregabilidade e o turismo.

No entanto, os quatro não esconderam o desconforto com os problemas ambientais associados à infraestrutura, exigindo conpensações financeiras da EDP, como vincou Joaquim Barreto.

Armindo Pereira Mendes / Lusa, in Tâmega online (25 de Junho de 2011) e Tâmega Jornal, N.º 72, Ano 3 (p. 12) - 15 de Julho de 2011

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Tâmega (Mondim de Basto) - Barragem de Fridão: Freguesia de Mondim promove esclarecimento público com Joanaz de Melo




Tâmega (Mondim de Basto) - Barragem de Fridão
Freguesia de Mondim promove esclarecimento público com Joanaz de Melo


No próximo dia 15 de Julho (sexta-feira), pelas 21H30, a Junta de Freguesia de Mondim de Basto vai levar a efeito uma palestra sobre os impactos negativos que resultarão da construção da Barragem de Fridão (Amarante) e das Linhas de Muito Alta Tensão que vão atravessar os territórios do Tâmega desde o Carrapatelo (Marco de Canaveses) até Vila Pouca de Aguiar.

O orador convidado para esta sessão pública é o Prof. Eng.º João Joanaz de Melo, Presidente do GEOTA (Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente) e Professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa(FCT-UNL).

Este evento terá lugar no auditório da Escola EB 2,3/Secundária de Mondim de Basto e está inserida no conjunto de iniciativas de esclarecimento e debate que a Junta de Freguesia tem realizado sobre as problemáticas relacionadas com a Barragem de Fridão, agora no âmbito do período de Acompanhamento Público do Aproveitamento Hidroeléctrico de Fridão (RECAPE), em curso durante 12 dias úteis, de 07 a 22 de Julho de 2011.

Freguesia de Mondim de Basto

Av. Dr. Augusto Brito S/N
4880-232 Mondim de Basto

tlf.: 255 382 741 - Fax: 255 386 571
www.jf-mondimdebasto.pt

segunda-feira, 11 de julho de 2011

As novas barragens são um crime!: 15 MIL MILHÕES DE EUROS para nada!






As novas barragens são um crime!
15 MIL MILHÕES DE EUROS para nada!





Exmo. Senhor Primeiro-Ministro (José Sócrates):

Vimos pedir-lhe os seguintes esclarecimentos:




  1. Em que se baseia para afirmar que as novas barragens vão poupar a importação de Petróleo, se as nossas centrais termo-eléctricas utilizam gás e carvão?

  2. Em que estudo fundamenta o cálculo de que Portugal poupará, com as novas barragens, a importação de 3,3milhões de barris de Petróleo?

  3. Como comenta o facto de as dez novas barragens terem, em conjunto, um produtibilidade média média de 1672 GWh/ano, conforme informação retirada das propostas de adjudicação constantes do site do INAG, o que representa 3,2 por cento do consumo de energia em 2010 e 72% da variação do consumo 2010/2009?
Com os melhores cumprimentos,
Ass.


NOTA: O GABINETE DO 1.º MINISTRO NÃO RESPONDEU A NENHUMA DAS PERGUNTAS

Números redondos, as novas barragens (do Mexia e Cª) vão custar aos consumidores-contribuintes quatro vezes o montante do investimento inicial (por causa dos lucros das eléctricas e juros bancários), e vão agravar os encargos mensais das famílias com electricidade em 10%, pelo menos... Para quê? Para obter um acréscimo marginal na produção energética nacional (3%). Uma bagatela, portanto, de 15 MIL MILHÕES DE EUROS, que somados aos milhares de milhões de euros que está previsto gastar com as PPP são uma canga cada vez mais insuportável e criminosa sobre o presente e o futuro do país.

Este cálculo foi realizado por gente que sabe, e se peca por alguma coisa, é por defeito. Basta ver onde estão as cotações da EDP, dos bancos portugueses e da República ao dia de hoje; imaginar o impacto duradouro da actual crise financeira; e ainda o que o petróleo a 200 dólares irá fazer daqui a dois anos à maioria dos project finance fantasistas como aqueles que a EDP, a Ibertrola (perdão, Iberdrola) e Endesa gostam de fabricar, para imaginar o destino trágico do Plano Nacional de Barragens desenhado à medida dos interesses especulativos da EDP.

De momento, a Propaganda intensiva do senhor Mexia, e da turma de jornalistas que traz no bolso, tem ofuscado o espectador distraído, os especuladores locais, os deputados e os governantes. Cá estaremos para lembrar este post quando mais esta vigarice monumental cair!

Já agora, mais uma informação importante: as albufeiras do país, graças à falta de manutenção adequada por parte dos concessionários, e à nova agricultura intensiva do olival e da vinha (duas imbecilidades como muitas outras), estão a evoluir para verdadeiros pântanos, de onde em breve não sairá, nem água para beber, nem água limpa para a agricultura, nem turismo —salvo talvez o da pesca de carpas! O aviso sobre a inutilidade turística de albufeiras eutróficas já foi dado pelo New York Times. Leram?

POST SCRIPTUM — como bem observou Marco Gomes, o "acréscimo marginal" da produção energética das novas barragens planeadas será mesmo nulo se a taxa de consumo se mantiver aos níveis actuais. Ou seja, 15 MIL MILHÕES para coisa nenhuma, salvo para salvar a pele do senhor Mexia.

António Cerveira Pinto, in O António Maria - 11 de Julho de 2011

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Universidade Católica - Cursos de Verão: Rios e Ribeiras em Movimento: cidadania activa








Universidade Católica - Cursos de Verão 2011
Rios e Ribeiras em Movimento: cidadania activa

Formação sobre a importância e a actuação dos movimentos cívicos na preservação dos recursos hídricos. O objetivo principal é levar os participantes a descobrir alguns movimentos cívicos de defesa dos nossos rios e ribeiras e as ações de sucesso na área da preservação destes recursos.


Data de realização: 12 de Julho de 2011 (9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00)


Programa


Movimentos de cidadania em defesa dos Rios. O Projecto Rios e a reabilitação de Rios e Ribeiras. Visita de campo ao Rio Tinto, na foz e no Parque Oriental do Porto.

Inscrições limitadas: de 8 a 20.

Católica (Porto), Projecto Rios, ARH do Norte, I.P., in Cursos de Verão na Católica - Julho de 2011

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Assembleia Intermunicipal da CIM-TS (28 de Junho de 2011) - Rio Tâmega: Breve relato da discussão do relatório «Albufeira do Torrão»







Assembleia Intermunicipal da CIM-TS (28 de Junho de 2011) - Rio Tâmega
Breve relato da discussão do relatório «Albufeira do Torrão»


Estando agendado no ponto 2.º da Ordem do Dia da Assembleia da Comunidade Intermunicipal, realizada no passado dia 28 do corrente mês, a análise do Relatório Técnico «Albufeira do Torrão - Registo do Estado da Situação», tal veio efectivamente a verificar-se.
Sobre este assunto o Presidente da Mesa da Assembleia deu de imediato a palavra ao Presidente Executivo da Comunidade, simultaneamente Presidente da Câmara de Penafiel, Sr. Dr. Alberto Santos que esclareceu ter agendado o assunto e enviado cópia do Relatório Técnico sobre o estado da albufeira do Torrão, após solicitação nesse sentido do membro da Comunidade sr. Eng. van Zeller. Deu ainda nota da preocupação da Comunidade sobre a situação detectada na Albufeira do Torrão, sugerindo trazer a uma próxima assembleia o Presidente da A.R.H.Norte, com quem as câmaras da zona afectada já reuniram, por forma a ser por ele exposta a estratégia a seguir no sentido de ser contrariada a poluição das aguas do rio Tâmega, na Albufeira do Torrão, origem das ocorrências detectadas.

De seguida interveio Luís Rua van Zeller de Macedo, que esteve na origem do agendamento do assunto em debate, que se congratulou com a pronta inclusão deste logo na assembleia seguinte, bem como o prometido e concretizado envio de uma cópia do Relatório a todos os membros da Comunidade.
Referiu também a sua preocupação com a repetição dos problemas nas albufeiras das barragens previstas para o rio Tâmega caso a sua construção vá por diante, o que não espera, tendo em atenção o actual nível de poluição do rio desde a sua nascente em Espanha, até à foz em Entre-os-Rios. Chamou, ainda, a atenção para a responsabilidade de todas as câmaras da bacia do rio Tâmega, no bom e correcto funcionamento das respectivas ETARs, bem como a necessária colaboração técnica na deteção dos principais focos de poluição a referenciar e intervencionar ao longo do curso do rio.

Falaram ainda sobre o assunto outros membros da Assembleia da Comunidade, nomeadamente um para dizer da gravidade que as conclusões do relatório lhe suscitavam, e outra para apenas referir que o relatório lhe parecia não ter grande valor científico, (apesar da colaboração nele de reputados especialistas e professores!) universitários, posição esta que não deixa de ser no mínimo curiosa, na nossa opinião.


No final do debate sobre este tema interveio ainda o senhor Dr. Pedro Cunha, eleito por Amarante, que propôs que quando da vinda do Presidente da A.R.H.-Norte este esclarecesse se a questão da eutrofização da água verificada na albufeira do Torrão é previsível acontecer nas de montante, nomeadamente na de Fridão.

Aguardamos, naturalmente, a publicação da acta que foi entretanto aprovada em minuta para apreciar o relato oficial do que se passou e aqui acabei de descrever resumidamente e de memória.

Luís van Zeller de Macedo (eng.º) - 1 de Julho de 2011
Membro da Assembleia da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa