domingo, 30 de janeiro de 2011

Tâmega - Barragem de Fridão: Barragem rouba lares a famílias do Tâmega - 56 casas afectadas








Tâmega - Barragem de Fridão
Barragem rouba lares a famílias do Tâmega - 56 casas afectadas

“Bom dia, são da EDP?”. A interrogação de Maria Carvalho, 67 anos, é pertinente e é por isso que confunde a equipa de reportagem do GRANDE PORTO com os técnicos que, no domingo passado, estiveram em Vilar de Viando, Mondim de Basto, a anunciar a Barragem de Fridão. Nos últimos meses, diz a agricultora, sucederam-se as reuniões com a população para explicar o que vai acontecer às casas e terrenos afectas pela estrutura e pelas águas.

A EDP contratou uma equipa de técnicos do Instituto Superior de Trabalho e Empresa para realizar um estudo sócio-económico da população. “No domingo vieram ver a minha casa, fizeram-me perguntas e disseram-me que vou ter de sair daqui. Lá se vão as nossas vidas, as casas e as memórias. Há dois meses gastei aqui muito dinheiro”, chora. Maria, proprietária de três casas mesmo na encosta do Rio Cabril, junto à Ponte Medieval, lamenta o investimento que fez na recuperação das casas. “Tenho um terreno lá mais a cima, mas mal dá para construir uma casinha. Não sei como vai ser”, afirma, olhando o velho moinho de água que irá perder.

Em Vilar de Viando, a Barragem de Cabril, que deverá estar em funcionamento em 2015, irá afectar a Ponte Medieval, a Capela do Senhora da Ponte e uma outra ponte que data do Estado Novo. Apenas os dois primeiros equipamentos serão desmontados e transladados para outro local, ainda por definir. No total dos cinco municípios afectados com a construção da albufeira da barragem, contam-se 56 habitações que terão de ser abandonadas.

“Isto não vai ficar tudo debaixo de água, mas ficará sem acessos, por isso não podemos cá ficar. Podiam ter avisado, só soubemos pelo padre. Valha-me Deus”, exorta. Mais acima, no caminho da ponte que não deverá sobreviver à barragem, Diogo Tapada cruza o Rio Cabril com o saco dos livros. “Vieram cá uns psicólogos no domingo falar connosco. Explicaram-nos tudo, mas não estavam cá osmeus pais”, conta Diogo, de 17 anos. O jovem admite ainda a tristeza de ter de abandonar o local onde cresceu. “Nasci aqui. É uma grande perda, claro. Estou habituado a este sitio. Vilar de Viando parece uma aldeia perdida no tempo, das que ainda têm placas de acesso a vilas e cidades que apontam para estradas de terra batida pelas fortes chuvas do Inverno rigoroso.

Marlene Mota, 30 anos, assoma-se à porta de uma das habitações de Maria Carvalho. A arrendatária, que cuida do filho, lamenta o infortúnio do destino. “Perdemos tanto tempo à procura desta casa e agora vamos perde-la. Trabalhamos em Mondim. Não é fácil encontrar aqui uma casa para alugar. Vieram falar connosco no domingo, mas não sabem se nos podem ajudar financeiramente porque nós só somos arrendatários”, explica.

Indemnizações

Convencidos que não há outro remédio, os habitantes reclamam agora indemnizações suficientes. “Gastei aqui muito dinheirinho. Têm de me dar o suficiente para eu refazer a minha vida. Já viu? Refazer a vida aos 67 anos. Nem quero pensar”, declina Maria.

Já Rosa Peneda, que esperava ainda a visita dos elementos da EDP, revela maior calma. “Daqui a cinco anos? Não estarei cá certamente”, graceja a jovial senhora de 84 anos. Traquina e de sorriso fácil, acaba por admitir que “não será fácil abandondar a casa. Gosto muito disto. É natural, não é?”, pergunta.

Todos os outros habitantes dizem que sim. É natural. Até porque Vilar de Viando, junto ao Rio Cabril, é um pequeno paraíso de veraneantes. “Olhe, vêm todos para cá no Verão. Isto é muito bonito. Os miúdos atiram-se ao rio”, sorri Rosa Peneda.

Contra a Barragem

Em contra corrente, A Associação Cívica Pró-Tamega é uma das principais organizações que se batem contra a construção da Barragem de Fridão. No segundo semestre de 2010, a associação interpôs uma acção popular no Tribunal Administrativo de Penafiel. Acredita que as consequências ao nível de segurança e efeitos ambientais não compensam. “O Instituto da Água diz que a onda de choque - que pode surgir se ocorrer algum problema grave com a barragem - pode chegar a Amarante em 13 minutos e submergir tudo. Em 13 minutos não há hipótese de evacuar a zona toda. Irá submergir a igreja, o convento, a ponte e toda a zona histórica de Amarante”, explica Luís Van Zeller, presidente da associação.

O engenheiro agrónomo, que também presidiu à comissão de acompanhamento ao projecto da barragem criada no seio da Assembléia Municipal, critica ainda a EDP por querer construir uma barragem num local atravessado por uma falha geotectónica.

A Pró-Tâmega espera evitar a construção da barragem com a acção em tribunal e diz estar disponível para ir até às últimas consequências. “A declaração de impacto ambiental aponta várias lacunas. A paisagem vai ficar descaracterizada. Uma indemnização não paga tudo”, acusa Van Zeller.
.
Pedro Sales Dias e António Rilo, in Grande Porto, N.º 83, Ano II (p. 1, 10 e 11) - 28 de Janeiro de 2011

sábado, 29 de janeiro de 2011

Público - Sobe e Desce: Dulce Pássaro a descer







Público - Sobe e desce
Dulce Pássaro a descer

in Público, N.º 7595, Ano XXI (última página) - 22 de Janeiro de 2011

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Regiões TV: O Tâmega e a Cidadania





Regiões TV (RTV)
O Tâmega e a Cidadania



«Blogs & Companhia», um programa de José Ferraz-Alves com emissão nos seguintes dias: 4.ª feira (26Jan) 22h, 5.ª feira (27Jan) 14h30; 6.ª feira (28Jan) 20h30 e domingo (30Jan) às 11h.

Ver em http://www.rtv.com.pt/www/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=35&Itemid=18

O canal encontra-se disponível na ZON TV (posição 88) e na Cabovisão (posição 14).

sábado, 22 de janeiro de 2011

Ambiente - Ministério em mau estado: Auditoria revela falhas e atrasos na política de gestão da água







Ambiente - Ministério em mau estado
Auditoria revela falhas e atrasos na política de gestão da água

Ministério não se pronunciou

Tribunal de Contas aponta baixa execução orçamental e problemas nos contratos, e diz que alguns organismos do Ministério do Ambiente não têm capacidade técnica


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Baixa execução orçamental, excesso de adjudicações directas, falta de capacidade técnica, incumprimento de normas legais. Tudo isto consta de uma auditoria do Tribunal de Contas à actuação do Estado nas políticas de gestão da água.

Com base em dados de 2009, o tribunal alerta para as "execuções materiais muito baixas ou nulas" dos projectos a cargo das administrações de região hidrográfica (ARH), constituídas em 2008. Dos 46 projectos previstos nesse ano para a gestão e ordenamento das bacias hidrográficas e zonas costeiras, apenas 17 saíram do papel. A taxa de execução financeira ficou-se pelos 17 por cento.

Em particular, a elaboração dos planos de gestão para as bacias hidrográficas de cada região - cuja conclusão era exigida por uma directiva europeia para o final de 2009 - teve fraco andamento. Hoje, ainda estão em elaboração, nas diversas ARH.

O Instituto da Água (Inag), em alegações enviadas ao Tribunal de Contas, reconheceu os atrasos, dizendo que se devem à tardia constituição das próprias ARH.

Ao Tribunal de Contas chamou a atenção o excesso de contratos com adjudicação directa. Foi a forma escolhida em 150 das 157 aquisições de bens e serviços das ARH. Em grande parte dos casos, foi consultada uma única empresa. Segundo o relatório da auditoria, divulgado anteontem, "81 por cento da despesa com a aquisição de bens e serviços foram efectuados sem que os contratos fossem submetidos a concorrência".

Algumas ARH atribuíram a necessidade das adjudicações directas com consulta única à "celeridade pretendida", a "razões de ordem curricular e de conhecimento e confiança no trabalho" ou à "escassez de recursos humanos".

O Tribunal de Contas identificou ainda várias lacunas nas contratações, tais como ausência de fundamentação e análise dos custos, falta de prestação de cauções, não publicação em jornais oficiais ou deficiente monitorização da execução material dos contratos.

Das respostas obtidas durante a auditoria, o relatório conclui que "as ARH não dispõem de dimensão e pessoal técnico com as necessárias qualificações técnicas que lhes permitam exercer de forma autónoma as suas competências".

Bons índices de qualidade

A auditoria aponta também para o atraso na regulamentação das tarifas da água, que deveriam já reflectir os seus custos reais - tal como exige a directiva-quadro europeia para a água. Tal política de preços deveria estar em vigor já no ano passado. Mesmo na ausência de regulamentação, porém, muitos municípios estão a seguir as recomendações da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) para o cálculo de tarifas realistas - segundo alegou este organismo e também o Inag, nas respostas ao Tribunal de Contas.

Do lado positivo, o Tribunal de Contas reconhece os "muito bons índices de qualidade da água distribuída para consumo" e a elevada taxa de cobertura do abastecimento de água (94 por cento), próxima da meta a que o país se comprometeu até 2013 (95 por cento).

Já o acesso ao saneamento está em pior situação, com 80 por cento da população servida por sistemas de drenagem e 71 por cento com tratamento efectivo de esgotos. A meta é 90 por cento. O PÚBLICO contactou o Ministério do Ambiente ontem à tarde, para um comentário à auditoria, mas não obteve resposta até às 19h30.

No próprio processo de auditoria, o Tribunal de Contas procurou ouvir as diferentes entidades envolvidas. Três ARH - do Norte, do Alentejo e do Algarve - e a própria ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, não apresentaram alegações.

Ricardo Garcia, in Público, N.º 7595, Ano XXI (p. 8) - 22 de Janeiro de 2011

Mondim de Basto - Barragem de Fridão: EDP estará já a proceder ao desmantelamento da “Capela do Senhor da Ponte”




Mondim de Basto - Barragem de Fridão
EDP estará já a proceder ao desmantelamento da “Capela do Senhor da Ponte”

"Capela do Senhor" - Mondim de Basto

De acordo com notícias que chegaram ao nosso Jornal através do Facebook, a EDP estará já a proceder ao desmantelamento da Capela do Senhor da Ponte e da Ponte Românica sobre o Rio Cabril, no lugar de Montão, concelho de Mondim de Basto.

De acordo com José Emanuel Queirós do “Movimento de Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega”, “Sobre as memórias das populações que dão a vida aos concelhos do Tâmega, com as Câmaras Municipais rendidas aos interesses das eléctricas, no mesmo dia (12 de Janeiro) em que a EDP foi à Casa de todos os mondinenses para mais um acto de instrumentalização do Município e de condicionamento da população, começou o desmantelamento da «Capela do Senhor», sita no lugar do Montão, freguesia de Mondim de Basto. Atentando contra a população para venda compulsiva do seu património, a EDP atenta contra o património dos mondinenses e de todos, dado tratar-se de uma peça singular da arquitectura classificada de «Imóvel de Interesse Público», pelo Decreto n.º 42007, de 6 de Dezembro de 1958”.

Segundo a mesma fonte, “esta operação da EDP estará a ser efectuada, sem o dever de cumprimento das formalidades legais do Estado (Recap) e a coberto das Câmaras Municipais”. Trata-se de mais uma etapa no processo de preparação das margens do Tâmega, que dentro de cinco anos acolherá a Barragem do Fridão, uma albufeira que será construída a montante da cidade de Amarante e cujo caudal submergirá para sempre grande parte do valioso património paisagístico e edificado do Tâmega, com impactos significativos ao nível dos concelhos de Mondim de Basto, Celorico de Basto e Cabeceiras.

in O Basto - 21 de Janeiro de 2011

Barragem do Fridão afectará 56 habitações: Capela e ponte vão ser desmontadas



Barragem de Fridão afectará 56 habitações
Capela e ponte vão ser desmontadas


A construção da barragem de Fridão no rio Tâmega obrigará a desmontar a capela do Senhor da Ponte e a ponte medieval de Vilar de Viando, no concelho de Mondim de Basto. O Ministério do Ambiente deu aval à execução do projecto da EDP à cota mais baixa (160).

Das duas soluções, optou-se por aquela que reúne menor oposição e afecta menos habitações, actividades agrícolas e espaços lúdicos e de valor patrimonial e cultural nos cinco municípios de Amarante, Mondim de Basto, Ribeira de Pena, Celorico de Basto e Cabeceiras de Basto. Ainda assim, a albufeira cobrirá, pelo menos, 56 habitações, 52 anexos, 120 hectares de áreas agrícolas e uma zona concessionada para pesca desportiva. Entre as 88 reclamações recebidas no período de consulta pública do projecto da barragem de Fridão, a maioria das autarquias e alguns moradores e proprietários de terrenos afectados pela obra aceitam a edificação da estrutura à cota 160.

Abaixo-assinado

Sobram as informações contra a execução da barragem de entidades públicas e privadas e de movimentos de cidadãos, incluindo um abaixo-assinado com 2200 subscritores. Só o Clube de Caça e Pesca de Mondim de Basto e o Instituto do Turismo de Portugal remeteram pareceres positivos à construção, de acordo com o texto da declaração de impacte ambiental favorável condicionada, assinada pelo secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa.

A par da desmontagem e da trasladação da Capela do Senhor da Ponte (incluindo altares, talhas, tectos e frescos) e da ponte medieval de Vilar de Viando, o promotor da barragem terá de apresentar propostas de transferência do Cruzeiro de Pinheiro Manso, das pontes pênseis sobre o rio Tâmega, dos espigueiros de Carrascalheiras e de Montão e dos sarcófagos da Rua Nova, em Veade (estes deverão ser colocados no adro da igreja local).

Agência regional

No documento, aponta-se para a constituição de uma agência regional com os concelhos afectados e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte para o desenvolvimento económico, social e cultural da bacia do rio Tâmega. O organismo será financiado com 2% do valor líquido anual médio de produção da barragem de Fridão.

Carla Sofia Luz, in Jornal de Notícias - 16 de Maio de 2010

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Tâmega - Mondim de Basto: Em preparação o desmantelamento de duas preciosidades da arquitectura

Tâmega - Mondim de Basto
Em preparação o desmantelamento de duas preciosidades da arquitectura



A coberto das Câmaras Municipais da região o garimpo da EDP no Tâmega está a ser preparado para Mondim de Basto, visando a breve trexo o desmantelamento da «Capela do Senhor» da Ponte e da ponte românica do rio Cabril (Montão - Mondim de Basto).

Esta informação é recebida no Tâmega como uma agressão ao património de todos que leva uma parte substancial do passado colectivo feito memória viva presente no território. Nesta sofreguidão sem limites com as terras subservindo interesses estranhos e invasores, preparam terrenos para que fiquemos sem o rio Tâmega que sempre tivemos, livre em seu leito de vida, ligando sem encargos terras e homens desde a Galiza ao Douro.

Sobre as memórias das nossas populações que dão a vida aos concelhos do Tâmega, com as câmaras municipais rendidas aos interesses das eléctricas, no dia 12 de Janeiro de 2011, a EDP foi à Casa de todos os mondinenses prestando mais um acto de instrumentalização do Município e de condicionamento da população.

Preparando o cenário para a inevitabilidade da população perder em definitivo seus bens patrimoniais, a EDP e seus homens de mão procuram influenciar os locais para a sua venda compulsiva a fim de evitar o ónus público do acto terceiro-mundista.

Entretanto, a EDP com a Câmara Municipal, preparam o desmantelamento e a trasladação da «Capela do Senhor» da Ponte, sita no lugar de Montão, freguesia de Mondim de Basto e da ponte românica do rio Cabril, atentando contra o património de todos, dado tratarem-se de duas peças singulares da arquitectura portuguesa, a capela de estilo barroco possui um retábulo de pedra pintado, tecto de madeira com pinturas "rocaille" e imagem de Cristo em pedra, classificada de «Imóvel de Interesse Público» pelo Decreto n.º 42007, de 6 de Dezembro de 1958.

José Emanuel Queirós - 17 de Janeiro de 2011
Movimento Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega (Amarante)

domingo, 9 de janeiro de 2011

SEMINÁRIO "ÁGUA E PARTICIPAÇÃO": GESTÃO PARTICIPADA DA ÁGUA: OBSTÁCULOS, DESAFIOS E POTENCIAL

SEMINÁRIO "ÁGUA E PARTICIPAÇÃO"
GESTÃO PARTICIPADA DA ÁGUA: OBSTÁCULOS, DESAFIOS E POTENCIAL



Local: ICS, Lisboa (sala 3)
Data: 18 de Janeiro
Horário: 10h – 12.30h ; 14h-17.00h
Organização: ICS/UL; SOCIUS/ISEG-UTL; Sub-rede lusófona/ParticipationWater.net

A entrada é livre mas agradece-se confirmação de presença [Maria Margarida Bernardo]

Sessão da manhã (10-12.30)

Luisa Schmidt (ICS-UL): Água – cultura, comunicação e processos participativos

Marcia Rios (U.F. Campina Grande - Brasil e ICS-UL ): Participação e descentralização na gestão de recursos hídricos no Brasil: o Comitê da Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Norte

Lia Vasconcelos (IMAR - FCT/UNL): Governância e participação: uma resposta à tecnocracia?

Nuno Videira e Rui Ferreira Santos (CENSE, UNL): Modelação participada na gestão de bacias hidrográficas


Sessão da tarde (14-17.00)

Sofia Bento (SOCIUS/ISEG-UTL), Marta Varanda (ICS-UL), Luís Correia, Luisa Schmidt (ICS-UL): A participação em reflexão prospectiva sobre a gestão de água subterrânea em contexto de mudanças climáticas: a experiência AQUIMED

Pedro Teiga (FEUP): Projecto Rios uma ferramenta de participação pública, monitorização e reabilitação fluvial

Irene Iniesta (U. Autonoma Madrid e U. Almeria): Servicios de los ecosistemas y bienestar humano en dos cuencas hidrográficas del sureste semiárido andaluz: una aproximación socio-ecológica"

Luís Ribeiro (IST-UTL): Água e bem-estar nos meios rurais dos países ibero-americanos

Edmilson Teixeira (LabGest/UFES & ParticipationWater.Net): Projeto Sossego: Laboratório Vivo em Suporte à Autogestão Comunitária de Microbacia Hidrográfica em Prol do Desenvolvimento Sustentável Regional

____________________

Maria Margarida Bernardo
Assessoria de Comunicação/ Communication - Events
Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
Av. Prof. Aníbal de Bettencourt, 9, 1600-189 LISBOA
Tel: 351-21-7804700 Fax: 351-21-7940274

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (http://www.ics.ul.pt) - Janeiro de 2011

sábado, 8 de janeiro de 2011

Testemunho: O rio Tâmega visto por Luís van Zeller Macedo

Testemunho
O rio Tâmega visto por Luís van Zeller de Macedo

Para mim falar do rio Tâmega ou simplesmente do rio, é fácil e difícil ao mesmo tempo. Fácil pela relação intimista que sempre mantive com ele. Difícil pela quantidade de vivências que a ele me ligam e pela dificuldade de escolha que isso comporta. Mas comecêmos pelo princípio.

Nasci numa casa da Rua Cândido dos Reis, bem no centro de Amarante, no ano de 1946. Esta zona da então vila de Amarante estava situada na margem direita do Tâmega e das traseiras da casa onde vim ao mundo via-se o rio a banhar o Parque Florestal e os remoinhos do açude dos Morleiros. Sem me ter apercebido cedo comecei a respirar o ar que emana do vale que ladeia o rio.
A primeira agua que bebi foi, estou certo, oriunda dessa fonte inesgotável de vida. O primeiro banho não poderia deixar de ser com a agua purificadora desse manancial. Amarante, na época, já possuía captação de água a partir do rio e a, então, Vila dispunha, pelo menos em parte, de distribuição pública deste bem fundamental. Sinal da evolução dos tempos.

De lá para cá pouco mudou, apesar de terem passado mais de seis décadas, o que não será nada em termos históricos mas muito face a evolução tecnológica que atravessamos durante este período.
Para mim Amarante, e digo-o com mágoa, não soube aproveitar os benefícios da ciência aplicada à melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes. Muito por culpa daqueles que dirigiram os seus destinos, sobretudo ao longo das últimas décadas e que um dia, estou certo, serão julgados negativamente pela história. Mas voltemos ao assunto. O rio, esse maravilhoso rio com que a natureza brindou nossa terra.

Meu pai a quem devo em grande parte esta paixão pelo rio, desde cedo nos incutiu respeito por ele. Na sua opinião a única maneira de lidarmos com ele era respeitá-lo. E isso implicava naturalmente conhecê-lo. Como se tratava de um meio liquido, adverso aos humanos, a única forma era aprender a nadar. Foi isso que meu pai fez comigo e com os meus irmãos. Como meu pai era médico e tinha o tempo muito
ocupado procurou dentro do círculo de amigos, que também eram do rio, que nos pusessem aptos a lidar com o meio líquido. Outra preocupação dele era que o contacto com as águas se fizesse em zona não poluída do rio. Ao contrário da captação de água, o saneamento não existia nesse tempo e portanto era necessário fugir das zonas mais afectadas que eram naturalmente as mais próximas da então Vila.

Os primeiros sítios do rio para onde me lembro de nos levarem era para o Borralheiro, um pouco abaixo da confluência do rio Olo com o Tâmega. Seguíamos pela estrada marginal ao rio em direcção a Fridão e antes da ponte do Borralheiro saíamos e descíamos a pé por uma vereda até à margem. Aí atravessavamos numa barca para a outra margem, do lado de Gatão. Lembro-me de muitos anos depois o barqueiro que era caseiro da Casa de Meios, nessa freguesia, me dizer que me tinha tirado muitas vezes da barca para me por em terra. Certo é que na margem direita havia mais areia,como aliás ainda hoje acontece, resultado do assoreamento natural provocado pelo rio Olo. Aí tínhamos ‘mais pé’, como se dizia na gíria, e assim podíamos treinar mais facilmente a natação. Meu pai levava os filhos ao fim-de-semana que era quando estava um pouco mais disponível. Estando na margem direita, do lado de Gatão, subíamos um pouco pela margem direita acima até a umas ilhotas que ainda hoje lá se encontram onde meu pai nos dizia que havia mexilhões e que eu me lembro de apanhar metendo a mão por debaixo das rochas. Sabemos agora que ainda lá continuam a existir, sinal de que está zona do rio felizmente ainda não estar poluída.

Com a construção das previstas barragens de Fridão todo este ecossistema será destruído. É óbvio que quem tomou esta decisão no gabinete nunca teve esta vivência de infância que eu e centenas senão milhares de jovens amarantinos tiveram. Sorte a nossa e desgraça a deles, para desgraça nossa e proveito deles. Ironias do destino. Mas voltemos à aprendizagem no rio.
Numa fase posterior, meu pai resolveu mandar-nos com uma funcionária sua, chamada Aurora,e que felizmente ainda se encontra entre nós, para a zona da captação das águas da câmara, também conhecida por poços, e que a partir daí ficou a ser conhecida por praia Aurora. Aí meu pai estava seguro de que havia vigilância dado que o responssável pela captação, um dos ‘Cercas’ (o Quim), de uma família conhecida pela sua ligação ao rio e que eram grandes nadadores, estar sempre por perto. Nessa famosa praia tínhamos todo um mundo ao nosso dispor e era só dar largas à fantasia. Tanto éramos piratas como descobridores de novas ilhas. Cada penedo, cada ilhota, numa qualquer reentrância do rio, era uma nova descoberta. Um mundo que, diariamente, durante as férias grandes se nos abria.

Essa praia cresceu, chegou a ter foros de celebridade. Nela se juntava uma multidão durante os meses de Verão, de naturais a forasteiros. Os mergulhos no chamado pontilhão sucediam-se a um ritmo alucinante. Daí nadava-se até ao "penedinho" de que se adivinhava a localização apesar de estar sempre submerso. Depois de uma pausa seguia-se ‘em comboio’ para o "penedo Grande", na outra margem do lado da Costa Grande. Neste foi colocada a certa altura uma escada metálica para se poder subir. Do alto do "Penedo Grande", era todo um mundo que se descobria e para nós, miúdos, era como subir ao topo do mundo. Daí lançavamo-nos ao rio que nos purificava, repetindo-se a cena vezes sem conta até, exaustos mas felizes, regressarmos novamente à outra margem. De Verão, o dia terminava bem tarde, já perto da hora do jantar. Que apetite quando finalmente chegavamos a casa. Felizmente a nossa era relativamente perto, de qualquer maneira sempre a pé que era como meu pai dizia que nos fazia bem.
Saindo da Praia Aurora seguiamos junto ao, então, Parque de Campismo, para depois subirmos junto ao Tribunal, pelos "Carvalhidos", outro ícone da minha infância, até ao Terreiro das Freiras (nessa época era mesmo em terra) ou de Santa Clara, onde era e é a nossa casa, ali bem perto da torre do sino de São Gonçalo, que ouviamos constantemente (de quinze em quinze minutos) avisando-nos antecipadamente do atraso provocado pelo rio.

Esta vida descontraída durou anos enquanto estudante do Colégio de S. Gonçalo. Sendo este, na altura, junto ao rio, que víamos, aliás, olhando pelas janelas das salas de aula e para onde nos dirigíamos, mal terminavam as aulas, de Inverno para ver o rio subir e de Verão para simplesmente molharmos os pés ou ir para debaixo do Zé da Calçada pescar. Era só ir a casa num pulo buscar os apetrechos e o isco e voltar. Os deveres ficavam para mais tarde e felizmente ouve sempre tempo para tudo.
O rio e sua constante atracção nunca nos impediu de sermos bons alunos. De resto penso sinceramente que o facto de ele estar ali tão próximo sempre nos ajudou e até nos deu de alguma forma inspiração para nossa vida futura.

Mais tarde, já aluno do liceu de Vila Real (em Amarante só dispunhamos, na época, do antigo quinto ano), sempre que de Verão estava em Amarante, lá voltava ao rio acompanhado dos colegas e amigos de sempre, alguns que continuaram comigo até à faculdade em Agronomia. Amigos e colegas da "borda de água" nascidos e criados na ‘31 de Janeiro’, daqueles que durante as cheias andavam com a mobília às costa e que me lembro de nunca protestarem contra o rio. Era a sua natureza e isso eles aceitavam com naturalidade e até com um certo orgulho. ‘Subiu mais do que no ano passado’, ‘subiu menos’. Punha-se uma marca na parede, sinal de aviso e de respeito, que intimidava os forasteiros que ao mesmo tempo que as fotografavam iam debicando os doces conventuais da Lailai ou fazendo a digestão de um cabrito à Zé da Calçada. Lá pelas tardes de canícula um pouco mais abaixo ainda podiam tirar desforra com um "tinto" de pipa, na época no famoso "Avião".

Nesse tempo as aventuras de Verão já tinham mais amplitude e em grupo lá íamos rio acima da Praia Aurora até Frariz, passando em frente ao famoso e, para nós, ainda um pouco tenebroso (envolto num grande matagal) "Penedo da Rainha". Regressávamos sempre pelo rio que era a nossa estrada. Em frente à Costa Grande, na época das regas, ouviam-se os motores de captação e água a funcionar junto de um frondoso bosque de plátanos que ainda hoje existe. Na margem direita por de trás da captação das águas podiamos ver os campos de milho com belas espigas a despontar. Ouviam-se todo o tipo de aves numa sinfonia de fazer inveja aos melhores compositores.

Compreendi na altura, e hoje não tenho qualquer dúvida, de que este ambiente tenha inspirado os nossos poetas e pintores. Amarante não seria o que é se não fosse esta influência telúrica e omnipresente do Rio Tâmega. No futuro não será nada se os amarantinos se esquecerem dessa protecção, da qual o nosso padroeiro São Gonçalo soube, em boa hora, tirar partido ao construir pontes sobre o Tâmega que também o farão e ainda o são entre os homens.

Que os homens de hoje se lembrem daquilo que nos deu o "ser" e que é a única coisa que nos pode garantir o futuro.

Luís Rua van Zeller de Macedo (Amarante) - 5 de Janeiro de 2011
Presidente da Associação Cívica Pró-Tâmega

Campo Aberto - Associação de Defesa do Ambiente: Visita «Por Terras do Tâmega» ameaçadas pela Barragem de Fridão







Campo Aberto - Associação de Defesa do Ambiente
Visita «Por Terras do Tâmega» ameaçadas pela Barragem de Fridão


A Associação de Defesa do Ambiente - Campo Aberto realiza uma visita a Amarante, no próximo dia 29 de Janeiro de 2011, intitulada «Por Terras do Tâmega», a qual constará de uma deslocação à Casa de Pascoaes e zona rural de Fridão ameaçada pela construção da barragem projectada pela EDP.
É previsível que a parte da manhã seja passada em Gatão, na Casa de Pascoaes, considerado o maior poeta da Natureza no século XX em Portugal, a que se seguirá o almoço-piquenique em Fridão, em regime de farnel a cargo de cada participante, na quinta das Fontaínhas, no local do posto náutico do Águas Bravas Clube (ABC).

Às 14H30 será feito um percurso no local ameaçado pela construção da Barragem, com trechos a pé na zona rural de Fridão que poderá vir a ficar submersa, prevendo-se que o regresso ao Porto seja por volta das 17H30.

Colabora na realização desta visita a Associação Cívica Pró-Tâmega, que se tem vigorosamente oposto à construção da barragem.

Inscrições até 19 de Janeiro, preço: €16,00 para sócios, €18,00 para não sócios

Veja informações completas no site em http://www.campoaberto.pt/2011/01/06/por-terras-do-tamega-casa-de-pascoaes-fridao-amarante/

Inscrições, o mais tardar, até 19 de Janeiro de 2011, em http://www.campoaberto.pt/contacte-nos/inscricoes-1/

CONTACTOS:
contacto@campoaberto.pt
Anabela Gonçalves 93 652 27 49
Esmeralda Coelho 96 452 02 05

in Campo Aberto - Associação de Defesa do Ambiente (http://www.campoaberto.pt) - Janeiro de 2011

PNBEPH: Mais vale um pássaro na mão

PNBEPH
Mais vale um pássaro na mão

Não aceito. Não me conformo. Não me consigo resignar.
Isto da Senhora Ministra do Ambiente abonar, tão levianamente, a construção da Barragem de Fridão, deixa-me um nó na garganta e mil perguntas a remoer.
Então a Senhora Ministra que deveria ser a primeira e principal defensora dos habitats, das expécies em extinção, dos eco-sistemas, da cadeia natural, do equilíbrio, da bio-diversidade e de uma caterva mais de palavrões que não servem para mais nada a não ser para embelezar discursos politiqueiros, então a Senhora vai apadrinhar, de mão beijada, tamanha irracionalidade?
Não lhe cuidam as bogas, as trutas, os barbos, os escalos, os góbios, as abletes e os camarões de água doce, as enguias e os perseguidos mexilhões, os sapateiros e os cabeçudos, as libelinhas, os cavalinhos, os alfaiates, as borboletas mais deslumbrantes, as rãs e os sapos, principalmente os sapos parteiros em vias de extinção, os patos, as galinhas de água, os mergulhões, as garças e até os corvos marinhos? Não lhe cuidam dezenas, centenas de pequeninas flores, de fungos, plantas aquáticas e outros assombros da biologia?
Não lhe cuida o lúpulo, o feto pente, não lhe cuida o feto real?
Não lhe cuidam os lagartos e as cobras de água, as cobras de pernas e as cobras cegas, as lontras, os ratos, as toupeiras aquáticas, os sardões, as sardaniscas e até as víboras de cabeça triangular? Não lhe cuidam as salamandras, os girinos e os tritões de ventre laranja tão ameaçados? Não lhe cuidam os melros de peito branco, os piscos, as carriças e as levandiscas, os pica-peixe multicolores, os gilros e as andorinhas, os gaviões, as aves de rapina nocturnas e até as águias pesqueiras?
Não lhe cuidam as raposas das margens, os texugos e os gatos bravos, as ginetas, as fuinhas e os toirões?
Não lhe cuidam os amieiros, os freixos, os olmos, os choupos, os salgueiros e vidoeiros, as aveleiras, os sanguinhos, os sabugueiros e as nascentes de água viva?
Mas que raio lhe há-de cuidar então, Ex.ª Senhora Ministra Dulce Pássaro?
O betão, presumo eu…
Razões tem a Iberdola para esfregar as mãos e para apregoar aos quatro ventos: - “Mais vale um “pássaro” na mão do que barragens a voar!”
Vossa Excelência sempre me saiu cá uma passarinha…

Luís Jales de Oliveira - Dezembro de 2010

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Petição: Salvar o Tâmega




Petição
Salvar o Tâmega

Ajude-nos a evitar a construção de barragens no Rio Tâmega e assim evitar o contributo para a catástrofe ambiental!

Os rios portugueses estão perante uma grave ameaça – a construção de 11 novas grandes barragens. 5 das quais, na bacia do Tâmega!

Tal tem sido vendido como um factor de desenvolvimento económico, social e até ambiental mas os factos evidenciam uma enorme destruição ambiental, a perda de muitas centenas de hectares de terrenos produtivos e/ou protegidos, a deterioração da qualidade da água e a perda irreversível de património cultural. Estes e muitos outros prejuízos por um acréscimo de apenas 3% de produção de electricidade. Prejuízos que têm sido anunciados como indispensáveis muito embora sejam conhecidas alternativas que permitiriam atingir os mesmos objectivos: reforço de barragens já existentes, eficiência energética, outras energias renováveis, etc…

Salvar o Tâmega, in Causes - 6 de Setembro de 2010

sábado, 1 de janeiro de 2011

Votos para o Ano de 2011 - Pelo Tâmega Livre em corrente de Vida!

Votos para o Ano de 2011
Pelo Tâmega Livre em corrente de Vida!


Em 2010 o nosso coração esteve com o Tâmega. Em 2011 vai continuar ainda mais forte!
Pelo Tâmega Livre em corrente de Vida!
VOTOS DE UM ANO DE 2011 PRÓSPERO NAQUILO QUE DE MELHOR HOUVER PARA O MUNDO E PARA A HUMANIDADE!