sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

PNBEPH - Rio Tâmega (Sobre a adesão das comunidades locais à barragem de Fridão): Os tempos que correm...

PNBEPH - Rio Tâmega (Sobre a adesão das comunidades locais à barragem de Fridão)
Os tempos que correm...


No estudo de impacte ambiental que se encontra concluído e em fase de discussão pública, a forma de aferir a adesão das comunidades locais à construção da barragem, segundo a empresa autora do estudo, que lhe foi encomendado pela EDP, «combinou metodologias qualitativas e quantitativas. A abordagem qualitativa traduziu-se na análise de 9 blogues na Internet e na realização de 25 entrevistas, telefónicas e presenciais, aos actores locais, incluindo presidentes de câmara municipal e de junta de freguesia. A metodologia quantitativa traduziu-se na aplicação de questionário estruturado a uma amostra de 520 pessoas...»

Os inquéritos foram realizados com a seguinte distribuição:
«– 55% em Amarante, 13,3 % em Ribeira de Pena, 12,3 % em Mondim de Basto, 10,2 em Celorico de Basto e 9% em Cabeceiras de Basto;
– A amostra abrangeu maioritariamente pessoas do sexo feminino ( 64,8% ), com mais de 55 anos ( 54,4% ) e com instrução igual ou inferior ao 1.º ciclo do ensino básico (66,3%).»

Os resultados foram os seguintes:
«– As opiniões expressas nos blogues veiculam uma opinião sistematicamente negativa;
– As posições obtidas em entrevistas a actores-chave veiculam uma posição predominantemente positiva;
– Os resultados do inquérito estruturado revelam uma posição dividida, em que os inquiridos em Celorico, Mondim, Cabeceiras e Ribeira de Pena manifestam posição maioritariamente positiva e os de Amarante maioritariamente negativa.»

Por mim, estou esclarecido:
– nos blogues, em princípio, e por dedução meramente pessoal, os tipos têm menos de 55 anos, têm mais do que o 1.º ciclo de escolaridade e, provavelmente, as mulheres que deles fazem parte têm também menos que 55 anos e mais que a escolaridade ao nível do 1.º ciclo;
– Os actores-chave, manifestaram opinião favorável, o que em meu entender pressupõe, que eles consideram que a construção da barragem de Fridão é uma “chave” para o desenvolvimento do nosso território;
– Finalmente, e em jeito de declaração de intenções, declaro, para os devidos efeitos, que fui inquirido (portanto faço parte da amostra e na percentagem de inquiridos que se mostrou desfavorável), que de sexo sou masculino, que tenho menos que 55 anos, que tenho mais que o 1.º ciclo de escolaridade e que não sou de Amarante.

Se pudesse, promovia um inquérito à juventude (de Basto) que é como dizer ao princípio das gerações futuras: quem vai ficar sem o rio Tâmega, a quem vai ser destruído todo um património histórico, ambiental e cultural .

(Fonte: EIA – Estudo de Impacto Ambiental – Aproveitamento Hidroeléctrico do Fridão)

Alfredo Pinto Coelho (eng.º Agrícola / lic. Gestão Agrária) - 22 de Janeiro de 2010
Movimento Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega (Mondim de Basto)

Sem comentários: