quinta-feira, 17 de setembro de 2009

F(e)ridão Ambiental II

F(e)ridão Ambiental II

O rio Tâmega, às portas de Amarante, reflecte no espelho da albufeira do Torrão a perda da qualidade das águas que deviam ter capacidade para usos múltiplos. Nas águas estagnadas pela Barragem do Torrão (Alpendorada e Matos – Marco de Canaveses) – a primeira com que o Ministério do Ambiente iniciou a artificialização do Tâmega – acumula-se todo o tipo de poluição proveniente das águas residuais urbanas e industriais que ainda não foram eliminadas do rio. A situação é de tal modo insustentável que o estado eutrófico que o rio Tâmega apresenta é visível à vista desarmada.

Além do Ministério Público, «a Quercus apela também às populações de Mondim de Basto e Celorico de Basto que se desloquem ao local para que vejam com os seus próprios olhos o possível futuro do rio Tâmega na albufeira da prevista barragem do Fridão.» ler tudo aqui

.......................................................créditos fotográficos: Anabela Magalhães

Se o meu Tamega de hoje me encanta é porque não desci ainda ao Torrão, onde podia notar os "destroços de um rio", deixados por quem por necessidade e interesse entendeu mudar a sua signa. Este cenário tem actores responsáveis, do qual não nos podemos inibir, pois consumimos a sua origem no mesmo registo que os compradores de peles de animais são responsáveis pelo seu abate. É este cenário que me injecta um cepticismo imenso em relação às ditas barragens, e me faz ter vergonha do meu estilo de vida...
Acrescento a isto um apontamento de Anabela Magalhães:

Hoje desci ao meu rio e vi o que jamais gostaria de ter visto e cheirei o cheiro pestilento e fétido que jamais gostaria de ter cheirado. Entre o espantada, o incrédula e o aterrada vi e cheirei o meu Tâmega agonizando, num silêncio penoso, aterrador e fantasmagórico, perante a absoluta indiferença das autoridades locais e nacionais. Onde estão as autoridades do meu país? Onde estão as autoridades que têm responsabilidades nos sectores das águas e do ambiente, perante este crime que se perpetua no tempo, agravando-se a cada dia que passa? Onde estão os órgãos de comunicação social do meu país cumprindo a sua função de denunciar e informar? Onde estão os ambientalistas? Onde estão os ambientalistas? Dormem? A que interesses se deve esta "barragem de silêncio nacional" sobre um assunto tão grave quanto este?
.
Vem espelho de água, que trata e guarda o que é nosso afinal.... ridículo

Carlos Leite, in Pensar Basto - 17 de Setembro de 2009

Sem comentários: