terça-feira, 16 de março de 2010

VALPAÇOS - CVRTM: Posição acerca da construção da Barragem do Alto Tâmega e o aumento da cota









(clicar sobre logo para ver documento)

VALPAÇOS - CVRTM
Posição acerca da construção da Barragem do Alto Tâmega e o aumento da cota (1)



A Comissão Vitivinícola Regional de Trás-os-Montes tendo tomado conhecimento, através dos vitivinicultores, da construção da barragem designada do Alto Tâmega e ainda da intenção da concessionária da mesma aumentar a sua cota de 312 para 322, vem pela presente manifestar fundadas preocupações com as consequências que dai poderão resultar na região vitícola de Chaves. Tais preocupações estribam-se nos seguintes elementos:
  1. Qualquer grande barragem, como é o caso da que está em apreço, tem impactos climáticos, agrícolas, sociais e económicos, nos territórios e populações adjacentes;
  2. Os impactos climáticos são tanto mais significativos quanto maior for a massa de água artificialmente criada. Ora, se com uma albufeira à cota 312 a massa de água estimada ascende a 96 hm3 à cota 322 a cerca de 146 hm3, ou seja, mais 52% de água, numa região já marcada por neblinas matinais, designadamente, durante o Outono e o Inverno e a parte inicial da Primavera;
  3. É do conhecimento geral e unânime que quanto maior for a massa de água artificialmente criada maiores são as implicações no clima regional, no mesoclima e do microclima, uma vez que o grau de humidade e a temperatura se alteram, ou seja, alteram-se as condições edafo-climáticas, sendo a vinha uma cultura muito sensível a essas condições;

  4. Naturalmente que as modificações edafo-climáticas tem implicações na maturação das uvas e no número de tratamentos fitossanitários a realizar na vinha e, consequentemente, modifica o tipo de vinho obtido;
  5. Tais consequências são tanto mais preocupantes quando essas alterações se vão sentir mais intensamente na micro-região da Ribeira de Oura e, com particular destaque para as freguesias de Anelhe, Arcossó e Vilarinho das Parinheiras, onde estão em curso os principais projectos de reestruturação de vinha e onde são obtidos os melhores vinhos da região de Chaves e como corolário disso são daí originários os únicos produtores engarrafadores da mesma; e
  6. O aumento de cota além de conduzir a um aumento significativo da área de vinha submersa, coloca outra área substancial em situação periclitante para a produção de vinhos de qualidade, numa região cuja cultura agrícola dominante é esta.

Conscientes das alterações negativas induzidas, quer pela construção da barragem, quer ainda potenciadas pelo aumento pretendido de cota, o recente e importante impulso dado pelo sector vitivinícola na micro-região da Ribeira de Oura poderá estar em perigo, pelo que urge minimizar os efeitos com as medidas necessárias, como sejam, a diminuição da massa de água e a realização de pelo menos um estudo que permita conhecer em concreto as mudanças do clima regional, sob pena de consequências económicas e sociais graves em algumas freguesias dessa zona, porquanto é na vinha e no vinho que está a sua principal subsistência.

A Direcção da CVRTM

(3 assinaturas ilegíveis)

(1) Documento enviado ao Director Regional de Agricultura e Pescas do Norte

A direcção da CVRTM (Valpaços) - 8 de Julho de 2009

Sem comentários: