sábado, 21 de março de 2009

O Estado Proxeneta [El Estado proxeneta]

O Estado proxeneta [El Estado proxeneta]

Há pouco a dizer sobre a manifestação na quarta-feira, em Murcia. Lá, todos juntos, e sem grandes questões, defendem os seus interesses, quer económicos ou políticos, que no final acabam por ser o mesmo. Com números na mão, as análises de produções, os fluxos e necessidades da bacia do Tejo, um transvase na cabeceira do nosso rio não espera, especialmente se considerarmos as condições ambientais impostas pela União Europeia; e, mais importante, se tivermos em conta que o rio Tejo é um rio que já perdeu 49% de seus recursos naturais na secção compreendida desde as nascentes até Aranjuez.

Isso não tem retorno patrimonial. O problema surge quando o Estado quer manter o status quo herdado do Franquismo, mesmo sendo um governo do PSOE ou do PP, e quando os interesses dos operadores do Tejo estão sujeitos à ordem política de manter a todo o custo um transvase que se sabe que é irracional e insustentável. Em última análise, um Estado Proxeneta que se move, não pela legalidade ou pela justiça, mas sim por roubar aos pobres para dar aos ricos, porque eles sabem que existem votações e as pessoas têm de defender o que é deles.

O transvase do Tejo é um roubo. Em Múrcia, sabem que os números que estão manejando e o barulho que está sendo montado, especialmente a partir de Talavera de la Reina, será muito difícil estabelecer um plano para a bacia hidrográfica como o avançado no Esquema Provisional de Temas Importantes, onde a nossa Cidade não existia. E este não foi por acidente ou negligência. E em Múrcia sabem - e no Ministério - se Talavera entra em jogo, acaba o transvase.
A História vai mudar, e os políticos da nossa região, os do PP e do PSOE, deveriam começar a utilizar algum neurónio. Não é possível a vergonha em contemplar como os partidos mais importantes em Castela-La Mancha se retraiam quando se trata do transvase do Tejo, cuja a eliminação deveria ser a maior aspiração de qualquer representante político da região. Assim, Castilla-La Mancha não será mais do que uma colónia mineira no Levante enquanto não se celebra o dia da região dinamitando os tubos do transvase em Bolarque e deixando o Tejo fluir rumo ao seu destino. Até então, não será mais do que uma "hidrocolónia" com alguns senhoritos levantinos que ocasionalmente cheguem para vigiar o que aqui vai acontecer.

Eu, pessoalmente, tenho vergonha de ter alguns representantes políticos, sejam do PSOE ou do PP, que não têm "tomates" ou ovários em dizer as coisas como elas são, e tanto me importa que Barreda queira levar o Tejo à "Cidade Real" e se Cospedal quer manter o circo em três pistas. Tanto me importa. O Tejo, o mais importante elemento cultural da Ibéria, não poderia ser um rio nas mãos de proxenetas. E podemos estar cientes de que a História, em maiúsculas, está prestes a mudar.

Miguel Ángel Sánchez (El Estado proxeneta), in La Tribuna de Talavera - 20 de Março de 2009

Sem comentários: