sábado, 25 de junho de 2011

Tâmega - Barragens: Chaves - Concessionária das barragens do Alto Tâmega diz respeitar as normas ambientais






Tâmega - Barragens
Chaves: Concessionária das barragens do Alto Tâmega diz respeitar as normas ambientais

A concessionária do empreendimento hidroelétrico do Alto Tâmega, a Iberdrola, "não partilha" da posição da Câmara de Chaves e adianta que o projeto "obedece aos critérios da Declaração de Impacte Ambiental (DIA) e desenvolve as condicionantes aí expostas".

Em resposta à queixa do presidente da Câmara de Chaves, João Batista (PSD), que considerou que o Relatório de Conformidade Ambiental do Projeto de Execução (RECAPE) da "cascata" do Alto Tâmega "não obedece" aos critérios estabelecidos na DIA, fonte da empresa mostrou-se disponível para esclarecer a autarquia.

"Num projeto desta dimensão, que pressupõe um investimento de capital privado de mais de 1, 2 milhões de euros e que criará mais de 10 mil postos de trabalho na região, é sempre possível que algum aspeto concreto possa ser melhor explicado, estando a Iberdrola sempre à disposição das Câmaras Municipais para isso", refere a empresa.


Lusa, in Sapo Notícias - 16 de Junho de 2011

1 comentário:

Anónimo disse...

Tem muita graça para mim esta contestação dos senhores autarcas às linhas (de muito) alta tensão. Esquecem-se, esses responsáveis concelhios, de que as linhas que agora contestam (tardiamente), dizendo-se enganados, são o resultado directo da prevista instalação de centros produtores de energia hidroeléctrica. Isto é das barragens que eles não contestaram em devido tempo, pela simples razão de que estavam apostado na obtenção de contrapartidas. Agora que vêem as populações a reclamar das linhas,resolvem protestar contra os malandros do costume. Mas descansem que tudo vai acabar em bem, com mais alguns milhões em cima a distribuir sobretudo por aqueles que mais berrarem. Eu que desde o início estou contra o Plano Nacional de Barragens, continuo com esperança que a tão falada falta de dinheiro acabe com esta megalomania de uma vez, enviando a conta das eventuais indemnizações aos responsáveis do anterior governo. E os senhores autarcas que entretanto já não têm dinheiro para mandar tocar um cego e agora estão à espera desta ajudinha que se contentem em governar a casa com o rendimento dela. É claro que assim talvez não se ganhem mais eleições. Mas paciência. Talvez experimentando mudar de paradigma e enveredar finalmente por uma política de verdade, em lugar das obras de fachada à custa do meio ambiente e das reservas estratégicas como a agrícola e ecológica.

Luís van Zeller de Macedo
Pró-Tâmega (Presidente da Direcção)