sábado, 12 de março de 2011

Japão - Sismo na região de Fukushima: Barragem em Fukushima rebenta e água arrasta casas






Japão - Sismo na região de Fukushima
Barragem em Fukushima rebenta e água arrasta casas

Uma barragem na prefeitura (distrito) de Fukushima (nordeste) rebentou e várias casas foram arrastadas, algumas horas depois do forte sismo que afectou esta região do Japão, informou hoje (sábado em Tóquio) a agência Kyodo.
De acordo com a agência noticiosa japonesa, a região de Fukushima é uma das mais próximas do epicentro do sismo, localizado a uma centena de quilómetros da costa leste da ilha de Honshu (a maior do arquipélago japonês), junto ao Oceano Pacífico.

O sismo de magnitude 8,9 na escala de Richter ocorreu às 14:46 (05:46 em Lisboa) e foi seguido de um tsunami que atingiu a costa japonesa com uma onda de cerca de 10 metros de altura.

in Diário Digital / Lusa e RTP - 11 de Março de 2011

1 comentário:

Anónimo disse...

Terramoto Tohoku-Chihou-Taiheiyou-Oki e a central de Fukushima Daiichi
Passei a maior parte das últimas 24 horas tentando entender a extensão da tragédia. Até estou a faltar ao Mestrado da UC de Sistemas Eólicos e Geotérmicos com o António Sá da Costa.
Há incêndios em refinarias, Destruição completa de hidreléctricas, explosões associadas com sistemas de gás natural, e enormes quantidades de terra contaminada, onde a água derrubou ou danificou o que eram milhares de milhoes de contectores de materiais perigosos. (Por exemplo, cada automóvel ou camião que vimos derrubado contém uma bateria ácido chumbo e os tanques de combustivel de 10-200 litros de hidrocarbonetos. Existe uma hipotese de 100% que algum desse material ter sido libertado para o meio ambiente.)
O resultado deste evento será uma longa e difícil limpar. Mesmo em uma sociedade bem ordenada e rica como a que existe no Japão, haverá lugares onde a evidência física do desastre será detectável durante décadas.
Há pelo menos um reactor da central de Fukushima Daiichi que sofreu danos a longo prazo. . Porque eles estão num lugar onde todos os serviços básicos foram cortados, ter electricidade para as bombas de abastecimento de água de resfriamento é um sério desafio.
Como os hospitais descobriram depois do Katrina com os geradores diesel de emergência apenas se a fonte de alimentação também forem capazes de resistir ás emergencias e fornecer uma quantidade suficiente de energia durante o tempo necessario que estiverem sem socorro. o Reactor de Fukushima tinha apenas combustivel para 4 horas e baterias para 8 horas.
Bruno Garcia